Como a Respiração Influencia o Sistema nervoso autônomo? - Take Care

by Silvia Lagrotta
9 meses ago
189 Views

Nossas taxas de respiração desempenham um papel fundamental na resposta do nosso Sistema Nervoso Autônomo (SNA). O comprimento, a profundidade e o ritmo da nossa inspiração e expiração são responsáveis por ativar o ramo simpático ou parassimpático do SNA.

O SNA controla a pressão arterial, a temperatura corporal, a digestão, o metabolismo e muito mais. No SNA, os ramos simpático e parassimpático oferecem processos fisiológicos e bioquímicos completamente diferentes dentro desses órgãos e sistemas. Assim, como você pode imaginar, o equilíbrio do SNA é muito importante para a nossa saúde geral e bem-estar.

A espiração, bucal e/ou superficial, sinaliza ao cérebro para ativar a resposta simpática tendo em vista que as terminações nervosas de luta ou fuga estão alojadas na parte superior de nossos pulmões. Quando respiramos pela boca durante um exercício, estamos pedindo ao organismo para produzir mais energia em um estado já estressado. Nós elevamos as taxas para aumentar os batimentos do coração, produzir ainda mais cortisol e criar uma resposta inflamatória ácida no corpo. Nós queimamos e desejamos açúcar como fonte de energia.

A respiração diafragmática nasal sinaliza ao cérebro para ativar a resposta parassimpática tendo em vista que as terminações nervosas estão alojadas nos lobos inferiores dos pulmões. A respiração pelo nariz sinaliza ao cérebro que o corpo está a salvo. Durante o exercício, nós queimamos reservas de gordura em vez de reservas de energia. A função digestiva mantém o equilíbrio, com batimentos cardíacos mais lentos e sangue rico em oxigênio sendo direcionado para o sistema musculoesquelético em vez de ir para longe dele. Os exercícios liberam mais serotonina no sangue, o que é uma grande vantagem ao longo do tempo para retardar o processo de envelhecimento e manter a saúde digestiva forte (Cuda, 2010).

Quando respiramos diafragmaticamente, o movimento do diafragma abdominal é crítico para a queima de inflamação, muco e expectoração. O movimento descendente do diafragma na inspiração massageia o fígado, a vesícula biliar, o cólon ascendente e, o lado direito da barriga. Na inspiração, a massagem é sobre o estômago, o baço e o cólon descendente.

O movimento descendente do diafragma também ativa o sistema nervoso entérico, local em que 95% do hormônio serotonina é criado junto com 50% da dopamina do cérebro. O músculo do diafragma também é essencial para a estimulação do nervo vago. Este nervo viaja do cérebro para baixo através do diafragma em cada um dos órgãos digestivos e desempenha um papel vital no processo digestivo.

Lembre-se que o cérebro está assistindo o comprimento, a profundidade e o ritmo de cada inalação e exalação e agindo em conformidade com todos os sistemas do corpo. A remoção e limitação de estressores nas células é a chave para o sucesso a longo prazo.

Combinar técnicas de respiração de ioga com a respiração diafragmática que “soa como o oceano” durante o exercício é uma excelente ferramenta para reduzir uma resposta simpática e incentivar o equilíbrio do SNA. Quando os clientes dominam esta respiração, eu os incentivo a prolongar a sua exalação duas vezes mais que a inspiração; quanto mais tempo a expiração durar, maior será a resposta parassimpática – ou a liberação de serotonina (Cuda, 2010).

Uma das funções primárias da exalação nasal é de sinalizar uma resposta de relaxamento para o cérebro. A maioria dos clientes estão em algum tipo de um estado estressado de consciência. Quando ensinamos nossos clientes a exalar corretamente através das narinas, a resposta em termos de relaxamento permite que o corpo se solte e relaxe e queime gordura em vez de açúcar. A exalação pela narina é a chave para uma menor frequência cardíaca. Esta menor frequência cardíaca aumenta a alcalinidade e reduz os níveis de acidez durante o exercício. Com o tempo, os nossos clientes ficarão mais relaxados e terão mais energia a partir de simplesmente expirar pelo nariz. O corpo adora essas exalações nasais longas, porque elas têm um efeito de resfriamento das enzimas digestivas do corpo.

Quando a respiração permanece conscientemente no topo de uma inalação do diafragma por um curto período de tempo, os benefícios da inalação (oxigênio, carbono e nitrogenio) são amplificados. Isto dá mais energia para o corpo naturalmente e melhora o processo digestivo de eliminação e assimilação. O músculo do diafragma torna-se mais forte e se comunica com o nervo vago. O nervo frénico, o nervo motor do diafragma, é amplificado. Quando estes dois nervos estão operando de forma otimizada, a saúde do nosso intestino e do sistema imunitário é melhorada.

 

Dicas para Implementar a Respiração:

– Ensinar técnicas de respiração nasal para as fases pré e pós-exercício irá maximizar o aprendizado e crescimento pessoal dos clientes.

– Observar quando a exalação fica tensa e reduzir a intensidade da carga de trabalho.

– Observar quando a inalação estiver deteriorada e os níveis de concentração mental, estabilização física e postura estiverem comprometidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *